The Witcher | The Witcher, a história da visita exclusiva ao set da série Netflix

Lauren Schmidt Hissrich conversou com o site italiano Corriere Della Sera e o Portal fez a tradução. Segue a matéria e boa leitura!

“Baseado nos romances de Andrzej Sapkowski, a adaptação da saga que conta as aventuras de Geralt de Rivia estará disponível na plataforma de streaming até o final do ano.

Uma experiência “material”

“Eu disse a Sapkowski que os livros dele sempre estarão alí, e os videogames sempre estarão alí para quem quiser aprecia-los; esta é uma terceira adaptação da história”, diz a showrunner do The Witcher. “O que me fascina é pegar os personagens que amei e as histórias que amei e gerar um novo ‘tecido conjuntivo’, assim o chamamos de escritores”. Lauren Schmidt Hissrich – que trabalha no projeto desde 2017 e para a Netflix já esteve nas fileiras da Academia Umbrella e The Defenders – parece dominar o tema de romances e contos e está entusiasmada por ter construído uma espécie de recipiente destinado para oito episódios, para contar o início de um evento que espera continuar por muitos anos. A partir da conversa animada com ela, aprendemos alguns aspectos fundamentais. Primeiro de tudo: The Witcher conterá uma excelente dose de violência. Nas próprias palavras de Hissrich, é “muito brutal, mas nunca gratuito; não temos vergonha dos temas adultos presentes no material original. Os romances contemplam sexismo, racismo e guerra com muita política. Digamos que crianças de cinco anos não deveriam assistir.” Em segundo lugar, grande atenção será dedicada aos contos: “Um dos aspectos extraordinários dos contos é que eles aprofundam os personagens, mas a origem deles está no passado e muitas vezes não é narrada diretamente; parecia uma ótima oportunidade para a narrativa. Nesse sentido, eu diria que até mesmo a série acrescentará algo à leitura, oferecendo histórias de origem de um ponto de vista inesperado”. No entanto, não haverá linearidade ou seqüencialidade da adaptação, tanto que Hissrich especifica que será um “misturar e combinar”. Um terceiro aspecto relevante é o tipo de narração a respeito de alguns conceitos que poderiam ser obscuros para um público mais amplo: “Não se diz que as pessoas estão familiarizadas com a figura do Witcher; falaremos para muitas pessoas que não têm ideia do que quer dizer uma única palavra, dividido como é entre o caçador e o mágico. Mas o ponto era exatamente esse, encontrar histórias que demonstrassem do que se trata. Não queremos falar, queremos mostrar. E o destino sempre tem um papel importante na história”. Não há, no entanto, suspeita de excesso de CGI; o “veja & sente” do show, como quem participou da visita ao set, pôde constatar, é bastante material (“afinal, já existem videogames espetaculares”, comenta Hissrich). O designer de produção Andrew Laws reforça: “Eu realmente quero salientar que ninguém está em uma sala verde a falar para uma bola. Queríamos uma história visceral com muito 4D, éramos tão físicos quanto podíamos ser; o público é muito esperto quando se fala de CGI, que pode se desconectar particularmente da magia. A experiência deve ser contínua no que diz respeito aos efeitos especiais e estamos interessados em evitar a possível descontinuidade entre realidade e imaginação”. E os monstros? “Nós nos esforçamos arduamente por devolver uma materialidade às criaturas, porque elas são uma parte vibrante da história”.”


The Witcher | Showrunner do The Witcher Lauren S. Hissrich sobre sexo, violência e comparações de Game of Thrones

Mais uma tradução do Portal, que compartilhamos com você, novas declarações de Lauren S. Hissrich sobre The Witcher, em um artigo recentemente publicado pelo blog Hobby Consolas e divulgado pela Redanian Intelligence.

“Isso não é Game of Thrones”, disse Lauren S. Hissrich.

A showrunner do Witcher sobre sexo, violência e comparações de Game of Thrones.

“Eu acho que essa série tem muito mais mágica. O que queríamos criar para a Netflix é uma série global que alcança pessoas com diferentes pontos de vista, diferentes perspectivas, diferentes problemas políticos e estilos de vida: [um programa] acessível a muitas pessoas diferentes.”

Esta não é a primeira vez que The Witcher é comparado a Game of Thrones. Com o final de Game of Thrones chegando a uma tão esperada e surpreendentemente controversa conclusão, todo mundo está procurando o próximo rei da fantasia para preencher o vácuo deixado para trás, e quase todas as principais redes estão tentando lutar. A Amazon está trabalhando duro em dois candidatos ao trono na forma de Wheel of Time and Lord of the Rings, a Disney está lançando seu próprio serviço de streaming com The Mandalorian, e a HBO (naturalmente) está cozinhando não apenas uma, mas três prequelas estabelecidas nos universo de Game of Thrones (bem como uma adaptação de His Dark Materials). É justo, então, que The Witcher seja vítima dessas comparações, especialmente porque os programas compartilham certas semelhanças.

Game of Thrones e The Witcher são ambientados em uma terra sombria de fantasia, atormentada por problemas que reconhecemos em nosso próprio mundo. Ambos os contos estão cheios de política, violência e sexo. Quando perguntado sobre a abordagem do programa para os dois últimos, Hissrich ficou feliz que o ponto foi levantado: “É algo que foi muito importante para mim. Desde o início, eu disse que as cenas de sexo de The Witcher sempre seriam exibidas por um motivo, não mostraríamos o sexo como um meio de exploração, poder ou choque. É algo de que tenho muito orgulho.”

Hissrich continuou: “Haverá nudez, sim, porque quando as pessoas são íntimas, às vezes ficam nuas. Conversamos muito sobre isso, desde o início [e também com os atores]. Queríamos que eles se sentissem confortáveis não apenas com sexo, mas também com intimidade, para garantir que os atores se sentissem seguros e confortáveis.”

Sobre a violência, Hissrich ofereceu garantias de que o programa não será diferente dos livros a esse respeito, mas lembrou que há muito mais na série do que apenas isso. “The Witcher é muito violento”, disse ela. “Não reduzimos a violência. Mas há um pouco de tudo, como na vida real: bondade, humanidade, romance, comédia …

Na série há muita brutalidade e escuridão, para mim pode haver tanto quanto você quiser, desde que equilibrado com amizade, romance, sexo, magia e diversão. A série vai demonstrar muitas coisas. Há pessoas que podem pensar: ‘Oh, acho que será muito violento para mim’, e eu diria: bem, há momentos de violência, sim, mas há equilíbrio suficiente. Há momentos em que duas pessoas estão sentadas em silêncio, apenas conversando e se conectando.”

A violência em The Witcher é frequentemente dirigida a monstros, e infelizmente para Hissrich e sua equipe (mas felizmente para o resto de nós), não há monstros no mundo real. É aqui que efeitos especiais desempenham um papel. Hissrich explicou: “Existem [efeitos visuais e tecnológicos] e, embora não possamos competir com o videogame (que já existe e é ótimo), tentamos incluir tudo, tanto quanto possível. Eu quero ver monstros, não quero que sempre sejam brigas entre homens vestidos com roupas cinza. Haverá efeitos no computador, mas tentamos torná-los o mais natural possível.” Embora a Netflix possa não compartilhar dessa opinião, o showrunner de The Witcher não está olhando para competir pelo Trono de Ferro. “Isso é entretenimento, ninguém está olhando para substituir Game of Thrones. Foi a série que revolucionou a fantasia épica na televisão. Sou fã [do programa] e não espero substituí-lo porque The Witcher é algo completamente diferente. É um ótimo entretenimento que as pessoas vão gostar. Estou ansioso para mostrar aos fãs nosso Ciri, Geralt e Yennefer – e como eles interagem entre si.”

Hissrich, ao que parece, está ciente da controvérsia em torno da temporada final de Game of Thrones, onde a escrita foi fortemente criticada. “Ouvimos as opiniões dos fãs de outras séries”, disse ela

Com o lançamento do The Witcher em dezembro próximo, o programa deve começar sua campanha de marketing na semana do Halloween. A Netflix apresentará painéis para o show na MCM London Comic Con e Lucca Comics and Games (onde a data de lançamento e o trailer serão divulgados) A Inteligência Redaniana cobrirá todas as notícias da Witcher, é claro, portanto, fique atento!

The Witcher | Henry Cavill em The Witcher: “Geralt conta muito, principalmente quando não fala”

O Portal traduziu mais um material que a Redanian Intelligence compartilhou em seu site, uma entrevista recém-publicada na revista alemã Serien, onde Henry Cavill fala sobre o seu papel de Geralt de Rivia em The Witcher nova série na Netflix.

Como você descreve o personagem de Geralt of Rivia?
Geralt conta muito, principalmente quando não fala. Isso foi um desafio. Quando todos ao seu redor estão conversando e ele assiste, seu olhar e seus gestos estão dizendo mais de mil palavras. Esse é um aspecto muito importante da personalidade dele.

Segue abaixo a tradução:

Como você descreveria o mundo de “The Witcher”?

O fascinante é que, além de todos os elementos de fantasia, como elfos, gnomos e magia, existe uma camada muito real. Por exemplo, é sobre racismo, injustiça social, comportamento colonial. Na verdade, também não há heróis, portanto, nenhum pensamento em preto e branco distinto. E é por isso que a história não é interessante apenas para os fãs de fantasia.

Você já conhecia a saga antes de filmar?

Sou uma grande fã de fantasia e ficção científica. Joguei os jogos antes de chegar aos livros. Então, porque eu conhecia a história em particular, o projeto me atraiu imediatamente.

Como você descreve o personagem de Geralt of Rivia?

Geralt conta muito, principalmente quando não fala. Isso foi um desafio. Quando todos ao seu redor estão conversando e ele assiste, seu olhar e seus gestos estão dizendo mais de mil palavras. Esse é um aspecto muito importante da personalidade dele.

Além de você, existem outros dois personagens principais da série, Yennefer e Ciri. Como temos que imaginar a história? Vocês estão em uma jornada juntos como os companheiros de “O Senhor dos Anéis”?

Não, e isso é interessante. Todos os três estão em caminhos diferentes que acabam convergindo, é claro. O problema com Geralt é, por exemplo, que ele pensa que está sempre no controle. Mas, na verdade, seu ambiente está controlando-o. Ele é aquele personagem maravilhosamente teimoso, mas ao mesmo tempo sensível, liderado pela determinação.

Você ficou famoso como Superman. Quanto esse papel influenciou você?

Isso mudou tudo. Absolutamente tudo. Por esse papel, fui introduzido no mundo da cultura de histórias em quadrinhos. O que difere esse papel dos outros é que você precisa vivê-lo até certo ponto. Especialmente quando você conhece jovens que não conhecem Henry Cavill, o ator. Eles veem o Super-Homem. Essa é uma grande responsabilidade, uma responsabilidade que de bom grado assumo, porque significa muito. Quando eu, por um único encontro ou ação, posso influenciar positivamente a vida de um jovem, isso é incrível.

Halloween Preview: The Witcher está trazendo painéis, filmagens e um trailer para Londres e Lucca

O Redanian Intelligence postou em seu site um Preview com todos os detalhes que ocorreram nos painéis de The Witcher na MCM London Comic Con e Lucca Comics and Game na Itália, dando start na campanha de divulgação da série da Netflix. O Portal traduziu na integra todas as informações para vocês ficarem ligados!

“O próximo sucesso da Netflix, The Witcher, está previsto para ser lançado em dezembro, e os fãs estão ansiosos por mais uma olhada no programa. Dentro de alguns dias, a longa espera terminará. A partir de domingo, 27 de outubro e com duração de uma semana inteira, a Netflix dará início à campanha de marketing de The Witcher durante dois eventos adjacentes: MCM London Comic Con e Lucca Comics and Games da Itália. A Inteligência Redaniana terá agentes no local para cobrir e transmitir ao vivo os dois eventos. Com o primeiro trailer completo da série, entrevistas com o elenco e a equipe (e também com o autor Andrzej Sapkowski), uma exposição de roupas e muito mais, The Witcher pretende tomar o centro das atenções durante a semana do Halloween. Abaixo está uma prévia do que exatamente devemos esperar e quando podemos esperar.

Domingo – MCM London Comic Con: As festividades de Halloween do Witcher começarão no próximo domingo, 27 de outubro, com a showrunner Lauren S. Hissrich e a interprete de Ciri, a estrela Freya Allan chegando para um painel às 12:00 pm BST (Horário de Verão Britânico) (08:00 horário de Brasília) no Palco do MCM Center. Durante este painel, intitulado “Apresentando The Witcher”, a Netflix promete compartilhar “novas imagens emocionantes” do programa. É provável que esta filmagem seja exclusiva para os fãs presentes no painel e não será compartilhada online. Mas não se preocupe – nós protegemos você.
A Inteligência Redaniana terá agentes no local e nós estaremos twittando ao vivo os desenvolvimentos do painel em nossa conta no Twitter. Isso inclui descrições ao vivo das imagens mostradas no painel. Portanto, siga-nos se você ainda não o faz. Se permitido, nossos agentes também tentarão filmar o painel para que possamos carregá-lo em nosso canal do YouTube e compartilhá-lo com você logo depois. Fora isso, publicaremos uma recapitulação do painel, além de uma análise das filmagens e um resumo de todas as entrevistas que possam ser compartilhadas durante a Convenção. Em seguida, The Witcher irá para Lucca, Itália.

Quarta-feira – Um painel com o autor na Lucca Comics and Games: Na quarta-feira, 30 de outubro, o evento anual da cultura pop italiana Lucca Comics and Games começará na cidade de Lucca, na Itália, e The Witcher estará lá em grande estilo. Durante o evento (que dura até 3 de novembro), Lucca estará realizando vários concursos e jogos de cosplay com tema The Witcher, bem como o que parece ser uma escape room (modalidade de jogos eletrônicos de aventura e raciocínio, geralmente criados nas linguagens de programação Flash ou HTML5, no estilo “aponte e clique”) também com o tema The Witcher. Mas o mais importante, o autor da saga Andrzej Sapkowski estará presente durante todo o evento, e a partir das 14:00, horário italiano (09:00 horário de Brasília) Sapkowski sediará um painel de uma hora dedicado aos livros que inspiraram a próxima série da Netflix, e provavelmente ele falará sobre a série também. Nosso amigo e parceiro @witcherflix estará lá, então siga sua incrível conta no Instagram e verifique nosso site logo depois para a recapitulação do painel. Sapkowski também estará disponível para um Meet & Greet com os fãs durante as festividades todas as tardes, para quem quer conhecer o autor ou simplesmente quer um autógrafo. A Netflix levará uma exposição dos figurinos do programa para o local do show, que eles “transformarão” em “O Continente” (“The Continent”, o cenário da série). Com nossos agentes no local, esperamos publicar um artigo com fotos das decorações e roupas no salão do show e a experiência geral dos fãs de Lucca.

Quinta-feira – Lançamento do primeiro trailer completo de Witcher no painel de Lucca: Em 31 de outubro, a Netflix sediará o maior painel do The Witcher da semana, a partir das 15:00, horário italiano (10:00 horário de Brasília), que está programado para durar duas horas, onde é esperado que eles compartilhem o primeiro trailer completo do programa, bem como a data oficial de lançamento. Moderado por Gianmaria Tammaro, o painel contará com a presença da showrunner Lauren S. Hissrich, além das estrelas Freya Allan (Ciri) e Anya Chalotra (Yennefer de Vengerberg). Também participando do painel estará o autor da série, Andrzej Sapkowski, que deve compartilhar sua própria opinião sobre a adaptação da Netflix. Vários meios de comunicação italianos, incluindo Lucca Comics e Games, relataram que o primeiro trailer de The Witcher estreará durante o painel, e é possível que outras imagens também sejam exibidas. Junte-se a nós em nossa conta no Twitter neste Halloween, ao vivo, estaremos twittando e atualizando durante todo o painel. Naturalmente, compartilharemos o trailer no momento em que ele aparecer na conta do YouTube da Netflix. Após o painel, a Inteligência Redaniana publicará uma recapitulação e também uma análise quadro a quadro do trailer (que você deve esperar ver no dia seguinte). E, mais uma vez, todas as entrevistas realizadas durante o evento também serão coletadas em um resumo.

Sexta-feira – A equipe principal do Witcher fala sobre dar vida ao programa: No dia seguinte ao maior painel do The Witcher, a Netflix estará hospedando outro painel a partir das 14:00, horário local (09:00 horário de Brasília), desta vez com três membros importantes da equipe do programa e será liderado pelo produtor executivo Tomek Baginski, o primeiro a lançar The Witcher para a Netflix em 2015 (como um longa-metragem) e contará com as participações do figurinista Tim Aslam e do designer de produção Andrew Laws. Este painel explorará outra faceta da produção de The Witcher. Em vez de discutir a história e os personagens, os participantes irão discutir o processo de filmagem e criação que acontece nos bastidores, o que acaba dando vida ao programa. Este painel também será twittado ao vivo em nossa conta do Twitter, e seus destaques serão recapitulados em um artigo logo depois. As festividades de Witcher em Lucca estão programadas para durar o evento todo, que termina em 3 de novembro, e ainda pode haver mais surpresas reservadas (como, talvez a presença do astro Henry Cavill). Com apenas alguns dias pela frente, estamos ficando bastante animados.”

The Witcher | O que esperar de The Witcher

O Portal traduziu a matéria de The Witcher publicado pelo Corriere Della Sera. Curta a leitura:

“O que visitamos em janeiro passado em Budapeste é um ótimo cenário internacional. Em breve, o show estará disponível em 190 países e não há dúvida de que, além dos fãs ávidos de The Witcher, também haverá tantos recém-chegados cujas configurações e layout narrativo ainda terão que ser acessíveis.

“Teremos um grande público internacional dividido entre curiosos e apaixonados”, explica o designer de produção Andrew Laws.. “É nossa intenção honrar as expectativas, levar aqueles que já conhecem a história a um ambiente familiar, mas ao mesmo tempo surpreender, gerar imprevisibilidade enquanto permanecer dentro dos limites medievais do que existe no material original. Vamos falar sobre uma historia que não reflete a história, mas parece história.

Não queremos excluir quem não leu os romances, nem queremos que o continente se assemelhe ao que já foi visto em outras produções “. De fato, porém, Witcher é uma fantasia colossal em potencial assinada pela Netflix no dia seguinte à conclusão de Game of Thrones e no início de um “novo” O Senhor dos Anéis. “Essas produções fazem parte de uma escada a ser escalada: elas também criaram um grande fardo para nós, em certo sentido; eles se acostumaram à construção de universos maciços e inexistentes, nos quais podemos imprimir, enquanto criamos maravilhas “. Além disso, da “redução” (esta é a palavra usada por Hissrich) dos romances e contos de Sapkowski, não sabemos realmente nada; e é possível que, além da fascinante construção do continente, essa seja a verdadeira base de testes de uma série projetada para um público exigente. Deixando o set, resta-se a clara impressão do bom trabalho dramatúrgico de Cavill, genuinamente investido na peça e quase no “primeiro fã”; mas também com o sentimento – talvez errado – desta primeira temporada de Witcher como teste. Se funcionar, isto é, se não apenas será muito visto, mas também muito apreciado, é possível que veremos a narrativa televisiva ligada a Geralt de Rivia florescer ainda mais em um novo épico fantástico e memorável. Isso poderia acontecer ao longo dos anos, sim, e não imediatamente. Ou poderia conquistar à primeira vista. No final, o que realmente importa – e a Netflix está ciente disso – não é a veracidade, mas a autenticidade de uma narrativa que envenenará ou melhorará a experiência de visualização. Assim como as poções do bruxo.”

Texto original » https://www.corriere.it/tecnologia/serie-tv/cards/the-witcher-racconto-visita-esclusiva-set-serie-netflix/cosa-aspettarsi-the-witcher.shtml

Sigam nosso Instagram / Follow our Instagram https://www.instagram.com/henrycavillentig/

The Witcher | What to expect from The Witcher

Translation of Henry Cavill interview to Corriere Della Sera

“What we visited last January in Budapest is a great international scene. Soon the show will be available in 190 countries and there is no doubt that in addition to the avid fans of The Witcher there will be so many newcomers whose configurations and narrative layout will still have to be accessible.

“We will have a large international audience divided between curious and passionate,” explains production designer Andrew Laws. . “It is our intention to live up to expectations, to bring those who already know history into a familiar environment, but at the same time to surprise, to generate unpredictability while remaining within the medieval boundaries of what exists in the original material.” Let’s talk about a story that does not reflect history, but it seems history.

We don’t want to exclude those who haven’t read the novels, nor do we want the continent to resemble what has been seen in other productions. “In fact, however, Witcher is a potential colossal fantasy signed by Netflix the day after the conclusion of Game of Thrones. and at the beginning of a “new” Lord of the Rings. “These productions are part of a ladder to climb: they also created a great burden for us, in a sense; they have become accustomed to the construction of massive, nonexistent universes that we can impress upon while creating wonders. “Moreover, from the” reduction “(this is Hissrich’s word) of Sapkowski’s novels and tales, we really know nothing; and It is possible that in addition to the fascinating construction of the continent, this will be the true testing ground of a series designed for a demanding audience. Leaving the set, the clear impression remains of Cavill’s good dramaturgical work, genuinely invested in the play and almost the “first fan”; but also with the feeling – perhaps wrong – of this first season of Witcher as a test. If it works, that is, if it will not only be much seen but also much appreciated, it is possible that we will see Geralt de Rivia’s television narrative flourish further into a fantastic and memorable new epic. This could happen over the years, yes, not immediately. Or it could conquer at first sight. In the end, what really matters – and Netflix is aware of it – is not the truth, but the authenticity of a narrative that will poison or enhance the viewing experience. Just like the wizard’s potions.”

Original text » https://www.corriere.it/tecnologia/serie-tv/cards/the-witcher-racconto-visita-esclusiva-set-serie-netflix/cosa-aspettarsi-the-witcher.shtml

Nos sigam no Instagram / Follow us on Instagram https://www.instagram.com/henrycavillentig/